. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




23 de novembro de 2014


Eu estava aqui o tempo todo...

Estava entregue. Meses de entrega, de certeza, de vontade de recomeçar do zero. Mas a vida, o destino ou Deus não quis que fosse assim. 

No último mês tudo se intensificou...as certezas, o sentimento e a entrega. Tudo dado. Oferecido a alguém que não quis aceitar assim de graça. 

Mais uma vez foi muito difícil ouvir tudo aquilo depois de ter acreditado tanto. Depois de ter investido em planos, em pensamentos e vontades. Mas aquelas palavras foram libertadoras. Foram elas que me impulsionaram a levantar a cabeça e fechar o coração. 

Fui viver. Viver. Ser eu, ser livre, ser sozinha no grau mais intenso dessa palavra. E terminei gostando dessa minha reconstrução. Me senti tão inteira que ninguém mais seria capaz de me completar. 

Agora não sei mais o que fazer para me desprogramar e voltar a acreditar. Mais ainda: voltar a sentir. Uma sensação de que tudo me foi tirado de forma meio bruta. Uma ferida cicatrizada com a cicatriz arrancada. 

É foda, não sei mais como agir. 
Vamos ver o desenrolar dos dias...

...só você não viu"



posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online