. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




26 de novembro de 2014


Acaba aqui todo esse período de momentos conturbados. Agora eu parto. Não por vontade genuína, mas por necessidade forçada porque o estrago já foi grande o suficiente pra sugar as forças que me restavam. 

Agora eu parto. Mas vou com a consciencia tranquila de que voltei, tentei, lutei, dei o meu máximo...hoje ainda é cedo, mas amanhã serei mais leve, me libertando de um fantasma que me atormentou dia e noite. O fantasma da possibilidade, daquilo que não foi concretizado, do pra sempre "se". Agora eu vejo que não era possibilidade...era a vida me poupando de mais outras dez mil lapadas nas costas. 

Mas teimosa que fui, não deixei que o destino se cumprisse. Fui lá me meter no meio e mudar o rumo das coisas. A única lição que pude tirar disso é que as coisas, quando não tem que acontecer, elas simplesmente não acontecem. Pode constar nos astros, nos signos, nos búzios. Não acontecem. 

Agora eu parto. Mas pelo menos hoje eu sei que não eram possibilidades. Eram ilusões que ficaram no passado. É la que elas precisam pernanecer. 

Agora eu parto. E amanhã voltarei a erger a minha cabeça e sentir novamente a força que tenho em mim. Essa força é meu maior escudo. 



posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online