. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




15 de julho de 2014


A vida ainda segue sem grandes explicações. Tarô, horóscopo, búzios, magia, Bíblia, sonhos...ansiedade de um futuro que não chega e que não se mostra. Eu preciso de uma ponta de equilíbrio nessa hora. Os afetos, ah os afetos, sempre tão complicados. Sempre eu tão complicada. É ruim sentir algo indo embora, saindo aos poucos, dizendo adeus sem dizer...

Também é ruim sentir as coisas voltando sem voltar completamente, sem saber se deve ficar para sempre ou ir embora para nunca mais.

O bom de passar dos trinta é que as tristezas não duram mais que dois dias. E você tem a certeza de que isso também passa.

.
.
.

Mudando de assunto e apenas para registro: Como é ruim sentir afeto genuíno por pessoas que não se abrem. Amor desinteressado, de graça. Mas eu entendo que ser gostado quase sempre pesa...Ás vezes eu sinto esse amor do tipo "Vem cá, senta aqui, vamos ser amigos, como vai a vida, me conta teus segredos...". E obceco. Obceeeeeco. Ás vezes eu olho para uma pessoa, sem que ela tenha nada demais, e penso: "Quero ela para sempre na minha vida". Mas a pessoa não entende, né?! Uma louca aparecendo assim do nada oferecendo afeto. Capaz de sair correndo na rua.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online