. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




2 de novembro de 2012


Eu falava de amor; você, de ego. Eu falava de sentir; você, de conquistar. Eu falava de ser plena, mas você era raso.

Eu vivia o futuro e você traçava planos. Eu vivia com você; e você, com o resto do mundo. Eu era nós, você era apenas um.

Eu te cobri e mesmo assim você sentiu frio. Eu te mostrei e mesmo assim você nem viu. Aquilo que eu ouvi nem sequer você notou. Eu tinha os pés no chão, mas você não estava lá.

E nesses desencontros todos, o que era nosso se perdeu. Não foi fácil seguir, mas sei como também deve tá sendo difícil voltar se machucando com todos os espinhos que você largou pela estrada.

Quis te xingar, humilhar e mandar você engolir toda a minha dedicação e vomitar esse seu egoísmo. Mas um dia eu vou te perdoar por não ter sido aquele que eu queria e vou me perdoar por ter acreditado. Vou desejar de coração que você seja feliz no resto da sua vida porque eu serei também, mas com alguém que fale a minha língua e entenda os meus sinais.








posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online