. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




2 de setembro de 2012


Com medo de abrir a boca porque tudo que sai dela é transparente demais, perceptível demais, evidente demais. Com medo de abrir os olhos porque o que ele mostra é a tradução do meu espírito por ora dividido entre o brilho extremo e a opacidade que já não consigo esconder.

Eu não deixo pista, mas dou bandeira da minha vontade, dessa verdade absurda que tento mentir. E se ninguém vê é unicamente por teimosia, por querer disfarçar aquilo que foi dito, redito e que talvez não tenha mais saída. É por querer ainda achar uma saída.

E se isso for possível, que a minha força para seguir seja maior que o desejo de voltar. Mas parece que agora eu já me perdi no meio do caminho e não sei aonde quero ir.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online