. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




29 de abril de 2010




"Léo e Bia".

Léo, Bia, um brinde à amizade e às lágrimas emocionadas do CinePE.

Um filme lindo, diálogos perfeitos, músicas suaves.
Um brinde à amizade entre 7 jovens.
Um único cenário e o filme não precisava mais que isso.

Depois do documentário tenso "Sequestro", assistir "Léo e Bia" (de Oswaldo Montenegro) fez o Recife voltar pra casa de forma mais leve.

Foi assim que fiquei ontem, suspirando no caminho de volta.

Lindo lindo lindo.

É uma produção de Oswaldo Montenegro, um pouco autobiográfico e feito em homenagem à famosa "Madá".

Fiquei surpresa ao ler a crítica feita pelo G1. Quem escreveu provavelmente é de uma burrice fora do normal...ou apenas não tem sensibilidade.

O filme se passa na época da ditadura militar, mas NÃO É sobre a ditadura militar. É um filme sobre a amizade. Ponto. Sobre a juventude de Brasília. Ponto. Sobre teatro. Ponto. Totalmente despretencioso e de uma leveza incrível. Os diálogos vão do engraçado ao comovente. É como os personagens mesmo dizem "nós somos os hippies mais burgueses e os revolucionários mais omissos".

E Millôr Fernandes, constatemente citado por Encrenca, garantiu muitas gargalhadas.

...

Me surpreendi com o público do CinePE. Pensei que só ia encontrar os emos que invadiram o mundo. Visual saia-sapatilha-e-cabelo-repicado-com-fivelinha. As Hello Kittys ambulantes. Os emozinhos de gel no cabelo. Graças a Deus tá tudo bem misturado porque eu não aguento mais esse novo público alternativo da cidade.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online