. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




23 de agosto de 2009


Compromisso de domingo.
Eu, me, mim, comigo mesma.

Ir pro cinema sozinha é quase o meu programa preferido, ainda mais naqueles dias que o mau humor toma conta e eu me sinto praticamente incapaz de interagir. Obviamente que o cinema tem que ser dos mais escondidos, já que o risco de encontrar qualquer pessoa que precise de um sorriso amarelo é enorme.

O de hoje foi Caramelo. Filme do jeitinho que eu gosto.

Achei esse post sobre o filme e é tudo o que queria dizer sobre ele. Segue:

(do blog Quando a vida é filme)

"Caramelo"?

É uma produção franco libanesa de 2007, que concorreu ao Oscar e só veio chegar aos nossos cinemas esse ano.

Talvez a sensibilidade e beleza presentes neste filme se devam a direção feminina de Nadine Labaki.
O roteiro e a direção são dela, além da atuação da personagem Layale, que vive uma das histórias mais belas do filme.

Nadine Labaki é uma surpresa.
Mulher, num espaço dominado pelos homens há tanto tempo, o cinema;
Roteirista, de uma história que fala corajosamente do feminino - sem "engajamento" enlatado;
Diretora, que imprime personalidade e estilo a um filme que poderia ter sido um amontoado de historinhas;
E, finalmente, atriz, com os olhos mais profundos e belos que vi nos últimos tempos...
A foto acima é de Nadine.

Se Machado de Assis tivesse conhecido Nadine Labaki, talvez, a quisesse como exemplo de Capitu e seus olhos de ressaca.
Quando Nadine aparece em cena com a sua relegada Layale não se pode olhar para qualquer outro lugar que não seus olhos, sua beleza.

Em certo momento do filme, visto ao lado de alguém querido e também sensível ao tema, surgiu, insistentemente em minha cabeça a canção composta por John Lennon e Yoko Ono em 1972 "Woman is the niger of the world".
O querido comentou, quase que simultaneamente:
- Nossa, como é difícil ser mulher..!

O filme denota sim um certo sofrimento e submissão do feminino e, por isso, fica compreensível o surgimento das leituras feitas acima.
Mas, o filme é tão feminino - com a melhor interpretação que esta referência possa sugerir - que a beleza e alegria típicas do mundo das mulheres sutilmente tomam conta de toda a história que se desenrola em frente aos nossos olhos.

Sabe desses filmes que dá vontade de ver novamente no dia seguinte?




Recomendo!

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online