. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




30 de março de 2008


Quero apertar o botão do CHEGA!
Estender a bandeira do chega-de-maneira-defensiva-de-viver. Tenho saudade da ingenuidade dos sentimentos aos 15. Não existia medo nem pé atrás. Aí gente cresce e vira um amontoado de traumas, neuroses e cicatrizes invisíveis. E transfere essa bagagem para tudo que vive. E já dá errado antes de ter motivo. E já chega ao fim antes de começar. Depois sai atropelando tudo, se fechando mais, construindo uma bolha e morando dentro dela. O ceticismo é a regra. Acreditar, quando muito, só com o tempo e com boas razões.

Me faz falta aquela certeza dos sentimentos, aquela convicção, aquela coisa: sou adolescente ainda, não sei nada desses assuntos afetivos, experiências quase zero, mas sei o que eu quero, sei o que eu sinto e pronto. Bate o martelo! Depois falam que os adolescentes são complicados. Não, complicado é ser adulto. Complicado é viver atrás de tantos escudos, subterfúgios, máscaras, auto-proteção exagerada.

Com a idade avançando e com a quantidade de histórias mal sucedidas, os anticorpos vão diminuindo. A paciência esgotando. A dificuldade de fazer tudo de novo, de começar de novo, de acreditar de novo é enorme. Tudo bem, é normal que isso aconteça. Deve ser. Mas até que ponto? Até que ponto nossas paranóias são apenas paranóias e até que ponto elas saem do plano imaginário para tomarem lugar no plano real, se juntando às nossas ações e ditando as nossas atitudes? Até o ponto de inventarmos erro onde não tem. Será? E o ser humano é expert em achar chifre em cabeça de cavalo. Eu, particularmente, sou ao cubo. Durmo com um olho fechado e outro aberto. Subo nas nuvens já me preparando para a queda. Eu não vejo príncipe encantado, já vejo o sapo.

Acreditar se torna mais difícil à medida que o amadurecimento chega. É tudo tão inversamente proporcional.

Estamos carentes de RESET em nossas vidas. Botãozinho de desligar tudo e começar do zero. Da reengenharia emocional.

É isso. Vamos entrar na máquina do tempo...De volta aos 15, por favor!

[Prometo que hoje, pelo menos hoje, pra mim CHEGA!]

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online