. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




6 de março de 2008


"Pai, você não sabe, mas eu preferia mil vezes ter ficado olhando para aquele rádio, desligado e encapado, a ter ficado assistindo ao SBT com a mamãe e a mãe dela, também conhecida por minha avó. Ok, estou sendo - como sempre - um pouquinho passional-radical, não era só no SBT que a televisão ficava ligada.

Da Globo, elas gostavam dos programas que mais me pudessem traumatizar. Naquela série sobre o Aleijadinho, elas diziam que o Stênio Garcia, todo torto, era meu namorado. Os Trapalhões foram outros que se revezaram em me namorar, dependia da faceta de minha personalidade que elas pretendiam implicar. Ah, as aberturas do fantástico também me marcaram muito. Aquelas mulheres perfeitas saltitando em chroma-keys e virando com cara de malucas. Estremecia, até na versão infâme que cantavam no colégio: "é fantástico, peru de elástico, boceta de plástico..."

Bom, não posso ser ingrata com a Globo como admiti ser com você: foi vendo os Trapalhões que comecei a escutar Chico Buarque. Você deve lembrar de uma cena superengraçada que eles fizeram, com uma música que a Bethânia cantava. Eu sei que você não estava lá, assistindo com a gente, mas vive repetindo, e deve ter visto. Era uma encenação idiota do que a letra dizia, com o Didi vestido de Bethânia, sendo galanteado pelos outros. "O primeiro me chegou como quem vem do florista: trouxe bicho de pelúcia, trouxe um broche de ametista..." Confesso, o Didi de Maria Bethânia foi algo forte demais para mim - naquela idade, naquelas circunstâncias. Eu entendi tudo. Tudo. E, ententendo tudo, comecei imediatamente a sofrer. Piorou muito na seqüência, com a comoção que foi aquele jingle de Natal, do "quero ver você não chorar, não olhar pra trás, não se arrepender do que faz..."

Detalhe importante: já estamos em plenos anos 1980 e sempre tinha uma música nova da Bethânia, ou com o próprio Chico cantando, fazendo um puta sucesso. Resultado: meu sofrimento encontrou eco para crescer. Até hoje, nunca tive corage de assistir a um show de nenhum dos dois, pois teriam que me recolher da platéia. Aos prantos descabelados.

E tudo começou onde? nos Trapalhões. Por isso que até perdôo a Globo; agora, que o SBT fodeu com a minha fida, ah, isso fodeu. Aquele carnê, com o qual você tinha de estar em dia com a mensalidade. A Porta da Esperança, o Namoro na TV, o Qual é a música, o Show de calouros, as colegas de trabalho, ai, nossa!, esses caras deveriam me pagar uma indenização por perdas e danos."

(Fernanda Young - Tudo que você não soube)

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online