. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




11 de março de 2008


Foda essa coisa de mania. As manias ficam como lembranças. O jeito de falar, a piadinha de sempre, as gíria, a porcaria da música preferida no som do carro...

Pior são as manias casadas. Sabe manias casadas? Aquela que se inventa em dupla, em grupo. As amigas de colégio e as gírias que você levou pra vida inteira. As amigas de faculdade e as manias que até hoje são tão comuns no dia-a-dia. O cara que você gostava e você, coisas inventadas nas madrugadas de leseiras no telefone. Aí tem as manias da mãe, as frases do melhor amigo, os gestos da irmã mais nova...

Só o pai!!
Eu trouxe muitooo a máquina.
Ai, eu to com aids no pé.
Ô rapaz, pia praí!
EstRilei. Tá lindRo.
Tatá-puta-que-pariu.
Zai zomar no zu, zai.
Eu fico fora de si, fora de siiii.
Zimoooooooooooooone.
Bjovaca.
Qué issooo...Tá maravilhooooooooso.
Fala, garotaaa!
Laaaaapa!!
E aêêêêêÊêêêê??????????
Tem rapariga em casa???
Tu me busca?
Hi, monster!
Paciência 'niuuuuuma'!
Malacabadaaaaaaaaa!
Hope! B-O-M!
Carááááleo!
Beleuza de creuza.
Ô, cidadão!
Mas tu é peeeeeeedra!
Pelanca, ei pelancaaa...
Eu vou bater em você!
Alimenta!
Todo dia ela faz tudo sempre igual, todo dia ela faz tudo sempre igual, todo dia ela faz tudo sempre igual...


As pessoas se vão...as manias não.

Às vezes isso é péssimo.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online