. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




23 de dezembro de 2007


Não vou fazer balanço completo de 2007 porque não tenho um zuuper acontecimento para contar; pelo blog já dá pra sacar: mais dias vazios do que atualizados.

O fato é que a blusa azul no reveillon não cooperou em na-da. Acho que bem pelo contrário. Devo lembrar disso pro resto da vida: azul no reveillon é proibido.

(como o rosa funcionou em algumas vezes, seria minha cor deste ano...mas optei pelo amarelo. Na falta de um namorado lindo e maravilhoso, um bom emprego resolveria meus problemas!)

Então tá. 2007 foi praticamente a maldição em forma de dias. O que quero dizer, de uma maneira menos dramática, é que espremendo esses últimos 365 dias não ficaria nada pra guardar. Nem lembranças e nem experiências. Pelo contrário, essa receita ainda leva uma boa dose de ansiedade ruim - que se tornou uma constante em minha vida - um bocadinho de mágoas - tanto assim! - e coisas totalmente dispensáveis.

Acontece que muitas dessas coisas que eu julgava problemas dos piores me pareceram probleminhas agora nesse final de ano, quando eu vi que os problemas DE VERDADE existem. E quando passei por eles e saí intacta (saímos!).

Sim, 2007 não foi fácil para as pessoas que amo. E se meu maior medo é o medo que tenho de perdê-las, o que poderia se comparar a isso?

Nada. E é por isso que estou entrando em 2008 cagando pra todo mundo que não merece nada, pra tanta gente merda, pobre e pequena que chegou ou que foi embora. Sabendo que tudo faz sentido quando se sente na pele o que sobra. É como um kit sobrevivência. É como uma casa pegando fogo e você tirando de dentro as coisas sem as quais você não viveria. 2007 foi essa casa incendiada.

HOJE eu tenho, e sei disso, o meu kit sobrevivência completo. E desejo a tanta gente a mesma coisa, de coração.

Esse sentimentalismo todo não é o espírito de Natal (eu nem acredito que isso exista!)...é só o resultado de um fim de semana cheio de emoções pesadas...e elas nem terminaram ainda, o que deixa esse fim de ano num suspense terrível.

E diante de tanta coisa, eu não posso fazer promessas e pedidos de ano novo. A única coisa que eu quero é que 2007 deixe a gente em paz!

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online