. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




12 de novembro de 2007


da série Micos...

Lá vou eu entrando na festa badaladíssima da cidade. Vejo logo de cara um colega conversando com um amigo do meu irmão. O tal colega é daqueles que você gosta muito, mas não tem tanta intimidade pra ir até lá dar um abraço. É dos que você fala quando cruza. Mas o amigo do irmão não...é dos que você tem intimidade pra chegar já metendo porrada.

E foi o que eu fiz.

Cheguei metendo uma tapa daquelas nas costas do cara. Ele praticamente voou. A tapa foi tão grande quanto minha surpresa quando ele virou e NÃO era o amigo do meu irmão. Alias, não era ninguém conhecido.

Ele olhou pra minha cara, soltou um "OXE" bem alto e foi andando pra trás, provavelmente com medo que fosse uma maluca. Eu podia ter corrigido o erro imediatamente com um "desculpa, pensei que fosse outra pessoa!" e sair fazendo cara de paisagem, né? Mas não, minha reação na hora foi dar um passo à frente e abraçar o cara. Abraceeeeei o cara. Forte. Com tapinhas nas costas.

(eu preciso urgentemente parar de fazer essas coisas inconscientes!!)

Claro que ele ficou confuso, mas seguro de que não me conhecia. Fiquei tão nervosa que não dei tempo de ele abrir a boca, virei para o colega, engatei um papo animadíssimo pra mostrar intimidade e disse que tinha que ir logo que estavam me esperando lá dentro.

Passei o resto da festa fugindo dos dois, escondida num cantinho.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online