. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




20 de fevereiro de 2007


O carnaval ainda é aquele...eu não sou mais a mesma!

Olinda era o lugar onde tudo podia acontecer. Os quatro dias ali eram os melhores do ano. A energia do som das troças me fazia subir e descer as ladeiras de um lado ao outro na maior empolgação, sem cansar. Em cada esquina existia alguém interessante que valia a pena. Seguir bloco, cantar alto, molhar e ser molhada, beijar na boca, procurar aqueeele paquera no meio da multidão e achar, ficar louca sem beber uma gota de álcool...Eu dizia que eu podia ficar velha pra tudo, menos pra curtir esses quatro dias de alegria e euforia desenfreada.

Era o lugar onde tudo era permitido e a desculpa era uma só: "é carnaval!". Aí podia beijar aquele mala sem alça, podia ir com a fantasia mais ridícula, podia se embriagar de cair no chão, podia chutar o balde, enfiar o pé na jaca, aloprar, ser quem você não pode ser durante o ano inteiro.

Olinda continua igual, tem troça em cada esquina, tem bebida, tem frevo, tem maracatu e tem gente. De todas as idades, de todas as tribos.

Mas, esse ano, nem todos os aditivos me fizeram voltar a ter aquela empolgação. Você acha que não existe isso de ficar velha, mas a idade chega e mostra. Você ainda atura sol escaldante, ainda agüenta subir ladeiras, ainda tira de letra a multidão e suporta a chatice de meninos puxando cabelo ou tentando beijar a força. Mas algo muda, e muito.

As pessoas interessantes daquela época, hoje, passam seus carnavais em praias com suas namoradas, noivas, esposas. Nas esquinas não existe mais ninguém que chame sua atenção. Aqueeele seu paquera não curte mais o carnaval. Beijar na boca não é mais termômetro de diversão.

E aí essa festa se transforma em quatro dias que você tira para curtir a sua turma (chorar de fazer a barriga doer), ficar obcecada por uma só pessoa, ser mais calma, procurar possibilidades. Sim, essa fase da vida é uma eterna procura de possibilidades.

E eu que odeio ser espectadora da alegria alheia (porque gosto mermo é de participar) terminei vendo a banda passar cantando coisas de amor. Pelo lado de fora.

Contente com isso e sem ligar pra o pouco que faltou. Muita coisa não fez mais falta.

5 dias em Olinda
2 noites no Recife Antigo
E um ano agora esperando para saber como estarei no carnaval que vem...

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online