. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




13 de dezembro de 2006


A tal viagem para o RN rolou. Na quinta à noite, numa mini-reunião de amigas sem nada pra fazer aqui em casa, decidimos que Maceió seria furada e que Pipa seria a melhor escolha. Longe, porém não haveria gente conhecida e teríamos um fim de semana num lugar lindo, misturando praia e boas opções de festas à noite. Na sexta partimos com a cara e a coragem sem saber nem como chegar lá. Eu sabia que tinha que ir em frente até morrer porque um pouquinho antes de morrer haveria uma placa indicando a direção. Dirigi por quase 4 horas e quando chegamos lá, nosso trabalho ainda estava começando.

Já tava anoitecendo e não tínhamos pousada para ficar. Para nosso desespero, as primeiras que tentamos estavam custando os olhos das nossas caras e todas já lotadas.

Por sorte, numa rua que a gente quase nem entrava, achamos AAAA pousada. Não podia ter sido melhor. Dois caras nos atenderam e já fomos pedindo o quarto mais baratinho. Ainda bem que eles não notaram, mas o que eles oferecessem naquela hora a gente tava aceitando...tudo que precisávamos era de um banho e de camas para descansar.

Melhor ainda foi descobrir que os caras eram muito gente boa. Vieram de Belo Horizonte e depois nos contaram que éramos as primeiras hóspedes. Na sexta ficamos na pousada bebendo com eles e quando percebemos, já passava das 4 da madrugada. Arriscamos ainda uma saída, mas não entramos em nenhum lugar.

No sábado, com a ressaca maior do mundo, saímos para conhecer as praias. Campeonato de surf rolando e a gente tomando banho nas piscininhas naturais. Nem conto o constrangimento de ter um casal do lado imitando a performance de Cicarelli, só que com mais variações. Dona Cica perdeu feio.

Praia do Amor, Praia do Madeiro e pôr-do-sol em Timbau do Sul. Chegamos mortas, mas no pique de encarar um reggae à noite. Tuuudo de bom. Clima massa. Na volta, ainda ficamos ouvindo um som, conversando e bebendo até amanhecer.

No domingo nem consegui ir à praia. A insolação do sábado e suas conseqüências, né?! Mas tinha a rede, as conversas e o som dos meninos tocando.

Voltamos logo depois do meio-dia, parando na estrada para um almoço barato e delicioso. A volta foi mais rápida e mais tranqüila. Mas a vontade mesmo era ficar lá por um mês inteiro!

Quem dera todo fim de semana fosse assim!!

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online