. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




16 de agosto de 2006


Eu arrumei um namoradinho no Jardim II que foi a coisa mais sem noção das coisas sem noção que já vivi. Eu tinha chegado mais cedo no colégio quando Erika, a menina que me beliscava, me aprontou essa!

Mal entrei na sala e ela me atacou:
- Ei Renata, quem é o menino mais bonito da sala: Leonardo ou Bartolomeu?

Leo era um menino gordo, suado, das bochechas sempre rosadas e que usava um chapéu horrível. Bartolomeu era magrinho, branquinho, tinha o cabelo bem liso caindo no olho e um sorriso tímido. Respondi sem pensar: Bartolomeu, claro!

Não sei como, e nem por que cargas d'água, na hora do recreio o menino já tava namorando comigo. Eu fui namorada pelo menino: Oração na voz passiva. Tecla sap: eu não tive NADA a ver com isso! Sim, ele começou a ser meu namorado e eu nem percebi. Mas meu drama tava apenas começando e o trauma também.

Nosso namoro não tinha contato físico. Não tinha mãos dadas, não tinha abraços e menos ainda beijo na bochecha. Mas sempre que eu chegava no colégio eu tinha a obrigação de ir sentar lá do lado do menino. Sabe aquele circulo desenhado no meio da sala? Pronto. A professora mandava sentar no círculo e ele achava que eu, como sua namorada, tinha que ficar do lado dele. Acho que minha memória seletiva só guardou os dias que eu preferi sentar do lado das minhas amiguinhas porque eu me lembro da cara que o menino fazia pra mim. Ele passava a aula inteira sentado do outro lado, fazendo bico e de cabeça baixa. Só levantava o rosto pra me lançar aquele olhar de cachorro morto. E eu não tinha pena, eu sentia era raiva.

Na hora do recreio se ele tivesse brincando no carrossel e eu fosse brincar no balanço, era novamente o mesmo drama. Ele sentava longe de mim e passava o resto da aula com o bico e o olhar de quem ia chorar.

Eu chegava no colégio já com medo do menino e, surpresaaa, ele tava sempre me esperando sentado no banquinho da entrada. E começava a me seguir. Por várias vezes tive vontade de girar de repente e meter o pisão no pé dele, mas eu sabia que aí ele ia chorar de verdade. E eu pensava: onde já se viu homem chorando? Esse meu namorado parece um maricas. Na verdade ele não era meu namorado, ele estava mais pra uma espécie de amiguinho grude. Maldita hora que eu respondi àquela pergunta, devia ter falado que o menino gordinho e suado tinha mais charme. Pelo menos Leo só queria saber das bolinhas de gude dele.

O ano foi passando e todo dia era o mesmo drama. Chegou uma época que eu preferia os beliscões de Erika a ter que conviver com aquela sombra atrás de mim. Não sei ao certo como nosso namoro acabou, acredito que foi só quando mudamos de série e de sala, mas o que eu me lembro muito bem é que foi nessa época que eu vi que brincar de boneca era muito mais divertido!


posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online