. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




18 de novembro de 2005


O dia ontem não existiu. 24 horas com a pior enxaqueca da história da humanidade. Trancada num quarto escuro sem conseguir ouvir o som de uma voz sequer. E se eu disser que remédios tarja preta, neosaldinas, antiinflamatórios, litros de chá de camomila, nada nada nada resolveu, vão dizer que eu minto.

Deve ser problemas de outras vidas. Assim como todas as mulheres pagam em parcelas mensais pelo pecado de Eva, quem sofre de enxaqueca deve pagar pelos pecados do próprio amiguinho chifrudo.

Assim como meu pai me deu o cabelo dele e esqueceu os olhos verdes e a altura, assim como minha mãe me deu as barrocas e esqueceu o sorriso dela, ambos tiveram a boa vontade de me dar em dobro esse mal chamado enxaqueca. Que chega sem avisar. Aí você vai dormir feliz, com planos para o fim de semana, festas e etc. Quando o dia amanhece, puff...parece que o mundo está acabando, e a explosão é bem dentro da sua cabeça.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online