. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




18 de setembro de 2005


Fiquei sem minhas pernas nesse fim de semana. Ainda bem que teve um showzinho de Suvaca di Prata na Livraria Cultura, e isso me deixou leve, mesmo tendo que ir pseudo-sozinha. Alegre. Tranquila. Sem pensar muito além, sabe?! Coisa que tenho evitado mesmo fazer nesses últimos tempos.

Fico meio sufocada quando tô perto de muita gente ao mesmo tempo e sem nenhuma que faça realmente diferença.

Só agora, com o fim de semana acabando, foi que tive minhas pernas de volta. Meus amigos. Qualquer hora pra estar com eles me deixa bem. E eu levantei de uma enxaqueca terrível para um encontrinho de fim de domingo. Pratos quentes nas costas (*piada interna*) aliviam tudo.

Acho que tô começando a criar um muro em volta da minha vida. Com portão e guardinha pedindo identidade/requisitos exigidos na entrada.

Seletividade.

Também muito chateada com pessoas que mudam de acordo com a música que a vida toca. Sem personalidade. Odeio tanto pessoas assim.
É como minha amiga aniversariante diz "É por isso, minha nega, eu não mudo pn em nada. Sou desse jeito em qualquer canto. Gostem de mim assim e ponto. Não fico me fazendo ou tentando ser o que não posso. Pelo menos, as pessoas podem se decepcionar comigo por ser assim, as vezes chata, tepeêmica, rude, mas sempre eu mesma. Jamais se decepcionar pelo que fui e não sou mais."

Quero desejar pra ela toda a felicidade do mundo. Sabedoria ela já tem. Mas grandes doses de amigos, festas, sorrisos, leveza de alma, carinho de gente querida...tudo isso é sempre bom em overdose. Amo tanto essa menina. A vida trouxe ela de vez, pra ficar.

É isso. E hoje na viagem pra Tamandaré, mentalizar o mantra "Vento no Litoral" em frente ao mar foi foda. Jogar fora mentalmente tudo aquilo que não presta também. Lágrimas na volta pra casa aliviaram a tensão. Mas só amanhã que estarei bem de novo. Por hoje, estou uma péssima companhia!

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online