. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




13 de agosto de 2005


Porque minhas últimas tentativas de livro foram inúteis. Gosto de frases curtas, de efeito, coisas do cotidiano ou sub-entendidas. Clichês quase sempre (coisas do dia a dia, benhê!), porém com inteligência e bem escritos. Fernanda Young e Isabel Allende. Marian Keyes foi a última que adorei.

Já fui de Agatha Christie. Era apaixonada. Li quase toda a coleção na minha adolescência. A Morte no Nilo foi o melhor, sem discussão. Mas chegou uma idade que cansei. Sidney Sheldon idem! Vou tentar Nora Roberts agora.

Tentei O Código da Vinci e parei bem no comecinho, talvez tente de novo. Um livro imperdível, disseram. Mas sei lá.

Crime e Castigo empoeirado e em uma edição muito antiga: gostei, mas não tanto! A idéia é maravilhosa. Talvez eu tente uma edição mais atualizada.

Metaformose, Kafka. Odiei com todas as forças. E me odeio por não sacar qual é a do cara!

Cem Anos de Solidão. Todos os personagens que eu começava a gostar, morriam na página seguinte. No fim do livro, já havia uma confusão de personagens com os mesmos nomes. Mas muito bom.

Tentei agora Ensaio Sobre a Cegueira. Parei porque não tive estômago...O ser humano virando animal irracional. Preciso voltar porque foi um presente de aniversário frustrado e isso me deixa em dívida com o livro.

O Apanhador do Campo de Centeio. Faz tempo que li. Me diverti com o mau humor e a vida sem cor do personagem.

Cartas ao Pai. Daqueles para ler de uma só vez, sem pausas senão perde o fio da meada. Decepção ao chegar no final e notar que tinham arrancado as últimas páginas do livro. Fiquei verdadeiramente puta da vida.

Feliz Ano Velho: leitura leve e muito boa. Não cansa.

Para definitivamente anotar os melhores que li nesses últimos dois anos: Cartas para alguém bem perto. As pessoas dos livros. Vergonha dos pés. A sobra de vossas asas. Efeito Urano (nem tanto!). Aritmética. Paula. A casa dos espírito. Sushi. Férias.
Enfim: fiquei apaixonada por essas três autoras. Começo o livro e paro minha vida enquanto não termino de ler.

Nem tento Jô Soares mais. E meu sonho é um dia conseguir terminar A Montanha Mágica de Thomas Mann.

Como se vê: milhares de livros empilhados que não terminei e nem tenho força de tentar de novo.

Adoro me apaixonar por um livro. Adoro. Assim, daquele tipo de não conseguir largar mais.

E esse post foi só porque eu queria falar da contra-capa de um livro que vi hoje, talvez seja meu próximo: A morte sem nome.
Tinha esse textinho atrás e eu adorei.

"Isto não é diversão. Não é para você se divertir. A pena no papel. A faca no estômago. O sexo entre as pernas. O amor no coração. Cada palavra dói tanto em mim quanto em você, ou deveria. Furo seus olhos. Abro seu estômago. Preencho seus espaços em branco e em vermelho."

Ai fiquei meio assim. Boba.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online