. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




3 de fevereiro de 2003


São João. Caruaru. Muita chuva.

- Vamo entrar nesse restaurante.
- Teremos que consumir alguma coisa, né?
- Ah, a gente pede uma batata, sei lá. Pede qualquer coisa.
...
- Ai que aperto. Moça, traz uma batata e um guaraná.
...
- Moça, tá demorando muito. Dá pra a senhora trazer logo o guaraná?
...
- Ai, santa paciência, esse copo tá um nojo. Moça, dá pra trazer um canudo?
...
- Nossa, que batata é essa? crua, cheia de óleo e fria. Puta merda, era melhor tá na chuva.
...
- Finalmente. Como é que um canudo demora mais que uma batata?
...
(Mari fala baixinho:) - Minha gente, né por nada não, mas o que é esse negócio preto aqui dentro do canudo, hein?!

Chega, foi a gota d'água! Aí o cidadão, nosso amigo, não agüenta. Se levanta, bate na mesa e:
- Minha senhora, eu não vou pagar essa porcaria não. A batata vem fria, cheia de óleo e crua. O copo sem lavar. E o canudo cheio de Coliformes fecais!

*A esculhambação mais incrível que já vi! Como é que alguém grita isso num restaurante?

*Desculpa minha amiga, mas eu precisava contar essa.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online