. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




19 de fevereiro de 2003


Mãe é tudo igual...

A minha é daquelas que fala Rumance, Rudrigo, Culégio...
E que tenta imitar as nossas gírias, mas sempre sai tudo errado.

- Menina, vi uma roupa que era um bicho!
- Mãe, era o bicho! Se fala O bicho, mãe.
...
- Rapaz, tu nem sabe o que me aconteceu...aconteceu isso isso e isso, diz aí! Agora diz aí!
- Mãe, é digaí! Fala-se: Aconteceu isso isso e isso, digaí!
...
As únicas coisas que ela aprendeu foi responder o meu fú-deu! e dizer que acha lindo o tal do Digo logo!
- Fú-deu, né?
- É, fú-deu!
...
- Mãe, ter gíria não é bonito. É só um vício muito feio pra uma menina.
- Ah, mas esse digo logo! é tão bonitinho...(e sai repetindo: Digo logo! Digo logo! Digo logo!...)

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online