. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




16 de dezembro de 2002


Sofia era uma menina estranha, adorava chamar a atenção das pessoas. Desde pequena chorava com um olho aberto e outro fechado só pra ver a reação de quem assistia a cena. Nunca gostou de estudar, era inteligente por bondade dos céus, mas paciência com estudo nunca teve. E assim foi levando o colégio com a barriga.

O segundo ano do ensino médio, como chamavam, não veio trazendo tanta sorte. Reprovada no final do ano por conselho de classe. A família temeu em dizer o resultado, não sabendo qual seria a reação de Sofia. Resolveram usar da sutilidade:
- Sofia, minha filha...se você reprovasse no colégio, você não acha que seria melhor pra você?
- Deus me livre. Eu me matava!
E era exatamente esse o medo dos seus pais e da sua irmã mais velha, que a conhecia como a própria palma da mão. Acabado o jantar, era a hora da verdade. Sua mãe, calma, encontrou um jeito de dar a má notícia. Mero engano, a menina saiu correndo, chorando e se trancou no banheiro.

Do lado de fora, a família tentava conversar e a única resposta era para que a deixassem em paz. E assim foi feito!

Duas horas se passaram e a irmã mais velha, temendo o que poderia está havendo naquele banheiro, não agüentou esperar. Pegou uma chave de fenda e abriu a porta por fora. A família se aglomerou para ver o que havia acontecido e o porquê daquele silêncio. Já que o choro era tão alto e cessou de repente.

Não havia nada no banheiro, nenhum sinal de que alguém tinha passado por lá. A mãe entrou desesperada procurando Sofia, enquanto a irmã ficou na porta observando tudo em estado catatônico. Mas a única coisa que conseguiu ver, de fato, foi a janelinha do banheiro escancarada ao máximo. Janelinha essa que nunca foi aberta daquela maneira.

A porta do boxe de vidro fumê foi aberta e para desespero de todos, nenhum sinal da menina. Foi nessa fração de minuto que tudo chegou ao fim, sua irmã mais velha teve um ataque histérico compulsivo e caiu no chão. Foi socorrida com um lexotan de imediato, na hora em que sua mãe achou o corpo da criatura, todo coberto com um lençol fedorento, dormindo no cesto de roupas sujas.

* * *

Por onde será que anda Sofia neste momento? Ninguém sabe. Sumiu depois de receber o resultado do vestibular.

P.S. O nome da personagem principal foi alterado para preservar a sua identidade.
P.P.S. Pois é, quem tem uma irmã dessa não precisa sair de casa em busca de fortes emoções!



posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online