. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




24 de dezembro de 2002


Enfrentar dois shoppings e um supermercado na véspera do Natal, pior, com minha mãe, é o que eu chamo de auto-penitência! Certo, deu pra pagar toda a cota de pecados de ano inteiro e ainda restou créditos pro ano que vem.

Entra em loja, sai de loja, se perde, se acha, empurra, é empurrada, sede, sede, sede...comassim não tem água no shopping inteiro? Xinguei até a quinta geração de todas as pessoas que me atropelaram e que gritaram no pé do meu ouvido. Não achei metade das coisas que eu queria, eu sei que sou difícil e tudo, nem me falem, mas mesmo assim...shopping é shopping, meu filho! Tem que ter tudo e pronto!

Passei vergonhas ao lado da senhora minha mãe, que fez o vendedor da loja provar uma roupa pra ver se ia caber no meu irmão. Depois, por azar das coincidências, encontrei um 'ex-alguma coisa' meu que ela era louca pra conhecer...aí começou a falar aquelas besteiras que toda mãe fala. E eu puxando a barra da blusa dela pra ir embora logo. E depois tive que ouvir toda a ladainha "hum, gostei dele. E você viu como ele olha pra você? ih, existe um clima aí...eu percebi, num sou cega nem doida!" E eu já cansada de "qué isso, mãe...tá vendo que não tem mais nada a ver!"
Pra terminar, na última loja, ela inventou de tocar uma daquelas guitarras de brinquedo...fazendo o maior barulho. E depois ainda saiu resmungando do barulho do carro de bombeiro que uma mãe queria dar de presente pro filho.

No supermercado, depois das compras intermináveis, encontrei um conhecido de mil anos atrás...daqueles que eu mal digo "oi". Aí, mais uma vez, lá vai ela puxar altos assuntos. Papos íntimos, de amigos de longas datas. Fazer o que? Braços cruzados e sorriso amarelo, e um discreto "mãe, tá na hora!"...
"Hã? hora? ah sim, tá na hora. Tchau, feliz natal pra você, prazer em conhecer!"
- Gente boa esse seu amigo, Renata!
- Mãe, ele não é meu amigo.
- Não?!
- ...

Outra dessa, só ano que vem! Sair com minha mãe é perigo total.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online