. Calendário .






. Blogs outros .

Antipoético
Às vezes tudo...
Balde de gelo
Brenda Walsh
Canto de detalhes
Carbon Monoxide
Clarah Averbuck
Clarices
Cristiane Lisboa
Estradeira
Filosofia de Para-Choque
Garatuja
Kibe Loco
Namastê
Qual é a sua?
Pena & tinteiro
Playground
Redatoras de merda
Rita Apoena
Tudo palhaço
Um baiano em Sampa
Vodca barata





. Arquivos .




12 de dezembro de 2002


Acordei cansada. Me irrita o fato da minha mãe sempre tentar conversar comigo quando ainda tô naquela fase semi-acordada, muito sonolenta e com as sinapses quase inexistentes. E hoje, me passou uma tarefa impossível de fazer quando se está dormindo: procurar telefones médicos no catálogo.

Fora que a sensibilidade do meu ouvido, cedo da manhã, é um fator predisponente para meu mau-humor durante o dia todo. Não consigo suportar alguém falando alto perto de mim logo quando acordo. Então os meus nervos, vocês imaginem, estão à flor da pele.

E tem uma gorda aqui na minha casa que resmunga o dia inteiro, fica fazendo uns barulhinhos estranhos com a boca que me irrita muito. E ela fede. E faz um mês que canta meu-coração-não-sei-por-quê-bate-feliz-quando-te-vê todos os dias!

Nossa, que inferno astral é esse que tá acontecendo na minha vida, hein?! Cada dia que passa, eu jogo mais gente na minha despensa escura imaginária. Mais um pouco, não cabe mais ninguém. Aí criarei um banheiro escuro imaginário e prepararei as mordaças e as torturas.

posted by Genivalda Joga pedra na Geni!




Powered By Blogger TM

online